terça-feira, 6 de maio de 2008

Para quem escreve, ou pelo menos para mim, não há tempo, nem sentimento definido. O que seria de mim, se não fosse a ilusão, o pensamento, os sonhos, a dor, a alegria, a desilusão, o passado, o presente, o futuro, os desejos....... Penso, logo escrevo, por escrever penso. E assim vou vivendo.

Um comentário:

sergio disse...

Jamais deixe seus escritos serem impregnados à alguma condição em que deixes de expressar seus verdadeiros sentimentos! carinhoso abraço Paulinha.