domingo, 26 de dezembro de 2010

Preenchendo Vazios

Antes só rabiscava. Depois de tanto olhar os quadros de Antonio Carlos, estou rabiscando e pintando nas horas vagas no trabalho. Tem sido uma experiência interessante.










Material - metade de um papel ofício usado.
Lápis de cor que foi da minha filha.
Caneta esferográfica.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Catedral de Brasília


Uma vez escrevi sobre os anjos em forma de gente. São aquelas pessoas que passam na nossa vida e nos fazem diferente, para melhor.  Nos tocam de alguma forma e nos fazem pensar, sentir, sorrir, chorar, nos emociona.

Anjos muitas vezes não vêem para ficar. Nem sabem da importância dele na nossa vida. E na maioria das vezes quem sente e se modifica, também não percebe a grandeza do momento que está vivendo.

Anjos em forma de gente, tocam a alma, o espírito, a consciência. Que pode ser através da alegria ou da dor. Não precisa ter rosto, não precisa do toque físico, é energia. Sim, eles são gente e tem defeito. Mas podem ser anjos, com toques mágicos.

É energia que move a nossa energia. E assim os anjos vêem e vão. Mas ficam dentro de nós, fica em nós. Porque de alguma forma nos modificou, nos fez crescer emocionalmente e espiritualmente.

sábado, 18 de dezembro de 2010


Foto: Praia de Boa Viagem - Recife



O mar me chama
Meu ponto de equilibrio
De fusão
Vejo o mar, imensidão
Observo o céu azul, me deixo levar
Cantarolo às ondas
À brisa
À mim
A vida e à vida


O mar
Me leva e me traz
No embalo das ondas
No cheiro, no som
No brilho do sol refletindo na água
Penetrando na pele

O mar me chama
E eu vou
Vou deixando pegadas na areia
Pensamentos na beira da água
Renovando meu ser
Ele chama
E eu vou.....



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010




Vou trocando olhares
Tocando mundos ainda não visitados
Vou seguindo luzes
Ouvindo vozes ainda não escutadas
Atravesso pontes
Tão floridas e ilumindas
Tem estrelas no chão do meu caminho
Tem luas e sóis
Estou só
Mas tem luz no meu caminho
Tem colorido no outro lado do mundo
Tento colorir meu lado de dentro
Com os olhares que sentem luzes



foto: Praça do Arsenal - Recife
em 17.12.2009

O escrito pode ser assim: abro o blog e escrevo.
Enquanto outros aguardam arquivados.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Luzes do Recife

Árvore de Natal de 33 metros de altura, formada com mais de 200 mil CDs e DVDs piratas, apreendidos ao longo do ano em operações da polícia.
A árvore foi colocada em frente ao Paço Alfândega, dentro do rio Capibaribe.

Praça do Arsenal

Paço Alfândega

Tela formada por água dentro do rio onde exibe filmes natalino.

A Prefeitura do Recife está promovendo um  "Circuito Recife Iluminado" com a frevioca.  Para apreciar o bairro do Recife iluminado. Um passeio bastante interessante.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Observando a arte de Antonio Carlos, vou lembrando dos meus rabiscos sem técnica.

Estava postado no outro blog no dia 03.08.2008

final de semana
reflexão, pouca inspiração e rabiscos enquanto ouvia uma palestra.
 
 
Observar a arte dele tem sido um processo interessante
Vai mexendo com gavetinhas da mente que estavam fechadas.
 
 

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Pôr do Sol



Em Évora - Alentejo - Portugal
setembro-10

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010


Muitas vezes temos medo de gostarmos de alguém e cairmos na rotina.
Outras vezes temos medo de nos apegarmos, de nos entregarmos, de sofrermos.
De perdermos a liberdade.
São tantos medos quando se trata de uma relação.

E de repente nos vemos envolvidos numa rotina que nos faz falta.
Um boa noite antes de dormir.
Um bom dia logo ao acordar.

Antes de dormir
Fiquei pensando um jeito
Bolando uma estratégia
Só para não quebrar a rotina

Aguardando você chegar
Só para preencher a cama vazia
Desforrando a minha emoção

domingo, 5 de dezembro de 2010


 ...então, falarei pouco
para não assustar
para não me revelar
não falarei de sentimentos
nem do passado
nem das lembranças
nem do presente
 
deixarei a pipa solta 
no céu azul
solta?
nem ela, nem eu
um fio nos prende
ela nas mãos do menino
e eu?
por pensamentos
por olhares
por beleza
 
voo solta em  pensamentos
presa por um fio de sentimentos
enroscada na emoção do vento
e retorno ....

sábado, 4 de dezembro de 2010


Este final de semana estive relendo algumas coisas que estavam escritas e guardados nas gavetas, nos arquivos do computador. Olhando as fotos, arrumando. A mente vai acelerando.
É como olhar uma paisagem pela janela. O mar imenso de sentimentos vividos e não vividos. O azul imenso do céu em fotos, e estes são momentos vividos, mas que junto aos momentos tem as lembranças do dia, a lembrança de alguém.
Olhar por esta janela da mente, é ver muitas belezas, mas é tambem encontrar sombras. É ver muitos momentos vivenciados, e ver um mundo lindo lá fora chamando para ser vivido.



Numa vida são tantas vidas
Alguns tombos, alguns voos errantes
Mas é beleza de mar
Em ondas, em vai e vem
No céu azul
No verde do mar
No pé no chão
É vida se renovando
Feito pássaros migrando

A vida ensina a juntar os caquinhos do coração
Como quem cata conchinhas na beira do mar



foto - Tamandaré-PE
28.12.08


Era sexta-feira
Ideias confusas
Sentimentos embaralhados
Uma sensação de estação vazia

Tocou uma música
O mundo fechou para balanço
Palavras, imagens, emoções
Brincavam soltas

Acabou a música
Um vento suave tocou
Como uma mão que acaricia o rosto

As ideias se acalmaram
A sensação de vazio se preencheu
Com o vento que passou
Já era sábado

Me fizeram
Porta, janelas, gavetas
Fechaduras

Perderam a chave
Que me abre

Estou do lado de fora
Sem um ferrolho para me olhar
Espreitar o que se passa
Do lado de dentro

Escuto vozes
Passos inquietos
Quero entrar

Escuto música do lado de fora
E não consigo sair para dançar

Vejo o céu azul
E não tenho asas para voar

O sol brilha
Entra pela brecha
Me cega, assusta

Me tranco!

Mas já estou trancada
Presa em amarras
Com medo de amar

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010




O sinal acendeu - vermelho
Pela primeira vez - parou
Escutava o apito do trem - um sinal
Estava na hora - de parar
E parou

Tantas vezes - ultrapassou
Atravessou - a linha
Atropelou - o trem

O sinal vermelho - acendeu
Desta vez - freou
Para não partir - o trem
Partiu - em dúvida


Fechou-se em escarlate
Sangue ferido
Para soltar-se
Em imagens

Fechada
Estava livre
Para criar
Sem vozes
Cem....vozes....

Levantou-se, saiu pisando nas pedras soltas
Foi ali, respirar o ar mais leve das montanhas
Precisava de ar, de silêncio
Só assim escutava a si


Brotou amarela
Na capital do país
Entre ministérios
Sem vergonha de ser feliz
De iluminar o dia

Sem vergonha
Das suas raízes
De seus caules
Das suas folhas
Das suas flores
Da sua essência
De ser
Uma árvore

Entre prédios altos
Outros brancos e bem desenhados
Estava ela com a sua beleza verdadeira
Amarela e verde



Como escrever algo, se os sinos da Igreja não badalam feito antes?
Aves não pousam nas torres como antigamente
Há um silêncio de asas
Os cânticos da alma não ressoam


Brasília, 18 de outubro de 2010
foto: Mosteiro de São Bento-Brasília


onde vai dar esta estrada?
tem uma curva logo a frente
é preciso frear a emoção

era verde a margem
bonita paisagem
mas tinha curvas...

enquanto vagava
entediada
a música entrou
era sexta-feira

faltava sintonia entre palavras e cores
corredores longos
muitas portas
a música parou
ainda era sexta-feira....


foto: Óbidos-Portugal

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010


Se  pudesse lhe daria um punhado de nuvens para....
você colorir
pular feito criança em pula-pula
pensar que é algodão doce
ver um cachorro peludo e branquinho
ou deitar para descansar

Se eu pudesse lhe daria um céu azul para....
você encher de nuvens coloridas
brincar com as nuvens
montando novos castelos
desenhando sonhos

Se pudesse lhe daria
céu
nuvens
asas
só para lhe ver voar
livre
leve
solto
em paz....