terça-feira, 9 de março de 2010




Quintana me sorriu hoje.


Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...
 
Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.

Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.

 
Mário Quintana

3 comentários:

Le Vautour disse...

Paula, onde quer que você esteja, lá haverá sensibilidade e inteligência. Amo Quintana!

Memória de Elefante disse...

Este é o meu poema preferido de Quintana....que bom que ele te sorriu!

Haydée disse...

Paula, Mário Quintana, gaúcho poeta da minha infância e eterno meu!
Adorooooooooooooooooooooooooooo