domingo, 30 de maio de 2010




Olinda, domingo. Olhava o céu, esperando a lua aparecer. A lua já estava lá, as nuvens é que me impediam de vê-la. Impediam ela de se mostrar. Pensei em você.

Diante de tão lindo espetáculo e pensamentos, surge Vinícius de Moraes me dizendo: que seja eterno enquanto dure.

Chega um idade e algumas situações que começo a imaginar/achar/sentir que posso compreender Vinícius, que gostaria muito de compreender essa frase adequando a razão com a emoção.

Uma voz me diz, que seja eterno e lindo enquanto dure. Que seja eterno mesmo depois de passado. Que seja eterno os momentos de carinho. Nada é eterno, nada é para sempre, nada depende só de você, você não tem o controle de tudo. Curta o momento, curta o carinho.

Olhando a lua, pensando em você,  penso que  posso tentar viver alguns momentos eternos e imortalizá-los no sentir, na lembrança. E não pensar que posso sofrer depois, ou que posso fazer sofrer, evitando assim de viver o momento por medos e receios.

E a lua estava ali, mas ela estava subindo, estava se modificando junto as nuvens, e logo logo será o momento do sol reinar. Nada é eterno. Que seja eterno enquanto dure. A beleza da luz na alma. Os momentos vividos. A lembrança será eterna.


Olinda
30.05.10


2 comentários:

Memória de Elefante disse...

Paula!

As coisas bonitas são as que não existem ou seja,as que estão na nossa imaginação porque nunca existiram ou na nossa lembrança porque já passaram.

Obrigada por tão belas fotos!

Deixo-te meu beijo

Le Vautour disse...

Nossa... que declaração de amor...