quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011




Qual a chave que abre ou fecha
As muitas portas em mim?
Um extensão de corredores
De veias e artérias
De pele e cicatrizes
De passados e sonhos


Qual a mão que me toca e abre?

Foto - Évora/Portugal-10

3 comentários:

Antonio Carlos disse...

Oi Paula, tudo bem?
Nossa minha vida anda uma correria, mas tudo bem, maravilhoso poema assim as lindas fechaduras, me lembrou a música da ana carolina, mais que a mim. Tenha uma ótima sexta, beijo a voce! =)

epee disse...

As portas. As fechaduras. E as chaves.

A sensibilidade, essa coisa que entranha na pele e que vai abrindo caminhos, sendo caminho, sendo estrada e se fazendo vida.

A mão que sustenta e equilibra sentido com consentimento e discernimento. Noutro mesmo sentido. Noutra mesma sensibilidade.




¬
Bom dia!

mfc disse...

Gostei... gostei muito!